Nota de repúdio

The Most Creative Print Ads of the Year (7)
O SINSENAT repudia veementemente a decisão do Excelentíssimo Juiz da 12ª Vara Cível, Fábio Filgueira, que manteve a disponibilidade de 07 (sete) dirigentes sindicais, contrariando a deliberação soberana do CONSELHO DE GESTÃO DA ENTIDADE.
 
A decisão do magistrado é descabida e insustentável diante de todas as provas e argumentos juntados aos autos do processo sentenciado em desfavor do SINSENAT.
 
Diariamente, filiados, funcionários e prestadores testemunham por parte desses dirigentes a má conduta que, se aproveitando da decisão Liminar, instauraram um ambiente insalubre para práticas de construção das lutas e das inúmeras tarefas e responsabilidades, inclusive estatutárias, boicotando as atividades em defesa dos direitos dos filiados, além de promoverem atos de assédio, constrangimento e intimidação aos dirigentes, funcionários, prestadores e filiados.
 
Para se ter ideia do absurdo das suas práticas desconstrutivas, compareceram ao posto de combustível causando terror ao gerente do posto para que este suspendesse o fornecimento de combustível em PLENA GREVE PELO CUMPRIMENTO DA LEI DA DATABASE.
 
Promovem e estimulam práticas de machismo, preconceito e homofobia contra mulheres dirigentes, prestadores e funcionários.
 
Usaram indevidamente o nome da Ordem dos Advogados do Brasil para intimidar dirigentes em reunião do Conselho Gestor realizada na data de 1/12/2015.
 
Estão com a posse indevida e ilegal de um carro da Entidade contrariando deliberação do Conselho Gestor.
Esses fatos e inúmeros outros, bem como fartas provas documentais, como Boletins de Ocorrência na Delegacia da Mulher e processos judiciais em andamento contra esses dirigentes, foram juntados aos autos do processo. Porém, o magistrado insiste em confundir DISPONIBILIDADE com MANDATO SINDICAL e, apesar dos argumentos e provas robustas juntadas aos autos do processo, manteve a disposição da Entidade, dirigentes de má conduta, agressores, machistas e homofóbicos.
 
Recentemente, outro processo envolvendo o SINSENAT também foi julgado pelo Magistrado Fábio Filgueira. E, PASMEM! Neste processo, o magistrado considerou legal o AUMENTO ABUSIVO de 77,45% encaminhado pelo plano de saúde Amil aos filiados do SINSENAT, mantendo a suspensão do atendimento mesmo tendo a assessoria jurídica da Entidade ALERTADO PESSOALMENTE AO MAGISTRADO sobre o dano que causaria sua decisão à saúde de centenas de filiados e seus dependentes.
 
Lamentavelmente, aconteceu com a filiada Lindamar Fernandes que veio a falecer sem atendimento do Plano de Saúde AMIL.
Mais uma vez nossos argumentos e provas foram ignorados. Graças ao bom senso e razoabilidade, a decisão inconsequente foi revertida no Tribunal de Justiça, o qual fixou o índice de reajuste de 13,34% – orientado e aprovado pela ANS.
 
Apesar do desconforto da decisão proferida pelo Magistrado Fábio Filgueira, o SINSENAT irá recorrer da sua decisão e continuará na defesa incondicional dos direitos dos servidores, na proteção da Entidade Sindical e de suas instâncias de deliberação.
 
Concluímos repudiando as práticas abusivas por parte dos autores, os quais, de forma irresponsável se utilizam das decisões do Juiz Fábio Filgueira para potencializar agressões e boicotes ao SINSENAT, em especial os atos INJURIOSOS cometidos contra a Coordenadora SORAYA GODEIRO MASSUD.

Categorias: Notícias do Sinsenat

Acompanhe as notícias do Sinsenat

Acompanhe e divulgue as notícias do Sinsenat nas redes e mídias sociais

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s